Pular para o conteúdo principal

COME E DEPOIS VIRA O COCHO...




     Quem nunca ouviu ou leu a citação, come e depois vira o cocho?
   Acredito que a grande maioria já ouviu e sabe que este aforismo surgiu pelo fato de que o porco normalmente faz isso, logo depois que come. Mas creio que muitos não se deram conta, de que o porco age desta forma por puro instinto, na busca de mais alimento e não com a intenção de simplesmente desfazer do artefato que lhe foi útil. Diferentemente do suíno, alguns seres humanos descartam seus resquícios de modo nada sociável e nas mais variadas situações e ambientes em que vivem, servindo a estes então a colocação dispensada até então aos “porcos”.

   E em nossa Cidade não precisamos ir muito longe para ver situações que nos remetem ao dito popular, atribuindo este comportamento principalmente aos nossos jovens que fumam, comem e bebem em vias públicas e mesmo estando diante de lixeiras, preferem colocar seus detritos nas calçadas e nas vias públicas. Por vezes, até mesmo ali fazem suas necessidades fisiológicas deixando os locais piores do que muitos chiqueiros.

    Observem que está se tornando cada dia mais perigoso e nojento de se andar por calçadas, ruas e avenidas utilizadas por estes juvenis, principalmente nos finais de semanas e feriados.    Não sei se por puro prazer, raiva ou até mesmo certeza da impunidade, que eles adotaram o costume de abandonar ali todos os tipos de resíduos e o que é pior, garrafas de todas as espécies de bebidas alcoólicas consumidas por eles, simplesmente quebradas e espalhadas nestes locais, potencializando danos a pessoas e animais que se sujeitam a passar por ali. Olha que Santa Cruz do Sul, já foi considerada uma das cidades mais limpas... Que saudades!

   E tudo isso se repete a cada semana sem que providências concretas aconteçam por parte dos responsáveis, no intuito de resolver o problema que cresce a passos largos. Não menos grave do que isso são as algazarras e sons altos proporcionados por eles que tanto apoquentam aos moradores madrugada a fora, não os deixando dormir ou descansar. Como agravante da situação, ao irem embora lá pelas altas horas, o fazem normalmente alcoolizados ou drogados e na direção de suas máquinas velozes e não menos barulhentas, incomodando a todos e pondo em risco as suas e as vidas de pessoas inocentes, porém na maioria das vezes, isto tudo acontece sem serem incomodados por quem quer que seja.

   Leis existem muitas, mas fazê-las cumprir é que está se tornando cada vez mais difícil de conseguir por aqui. Talvez por influência até mesmo dos maus exemplos lá de cima, que estejam transformando a Cidade e nosso querido Brasil, em terras sem donos, em terras sem leis. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Legislador salteador e o salteador legislador

Na minha humilde forma de avaliar a violência reinante no País, entrevejo a existência de dois tipos nocivos de legisladores a se destacar neste cenário aterrorizante dos últimos tempos. E deixo claro que os “legisladores” sobre os quais irei explanar a seguir são por demais prejudiciais a toda sociedade e por isso devem ser suprimidos de nossas vidas, pois já fizeram muitas vítimas e enquanto existirem farão outras tantas.
   Vamos então conhecer inicialmente o “legislador salteador”, que a meu ver é aquele que recebe oficialmente a incumbência de desempenhar um cargo eletivo, ou seja, através do voto popular ele aufere a confiança e o aval dos eleitores para que faça seu trabalho voltado para o bem estar da maioria das pessoas e do país. Esta figura representativa após eleita modifica ou cria leis, estatutos, códigos, etc. que irão nortear e de certa forma interferir na vida de toda a sociedade. Por vezes este mau gestor da coisa pública mascara a verdadeira intenção de a quem ben…

Turma de 81 e seus 35 anos...

Tudo começou quando no mês de setembro de 1981, a Gazeta do Sul noticiou que se encontravam abertas às inscrições para o curso de formação de Patrulheiros Rodoviários.

   Não teve dúvidas, muitos santa-cruzenses, assim que tomaram conhecimento da oportunidade que surgira de se tornar um Patrulheiro Rodoviário, correram até as dependências do DAER de Santa Cruz do Sul, para realizar suas inscrições.
   A inscrição, era a primeira das muitas etapas exigidas nesta caminhada em busca da realização do sonho de ter uma profissão tão desafiadora como esta.    Foram quase 2000 candidatos no Estado para o preenchimento das 120 vagas disponibilizadas para completar o recém criado, Batalhão de Policiamento Rodoviário que recebera o nome de “Batalhão Cel Kelleter”.
   Começava então a maratona de idas a Capital, onde éramos submetidos, inicialmente, a provas de conhecimentos gerais, seguidos de testes e entrevistas psicológicas, exames médicos, laboratoriais, odontológicos e os famosos testes físic…