Pular para o conteúdo principal

COME E DEPOIS VIRA O COCHO...




     Quem nunca ouviu ou leu a citação, come e depois vira o cocho?
   Acredito que a grande maioria já ouviu e sabe que este aforismo surgiu pelo fato de que o porco normalmente faz isso, logo depois que come. Mas creio que muitos não se deram conta, de que o porco age desta forma por puro instinto, na busca de mais alimento e não com a intenção de simplesmente desfazer do artefato que lhe foi útil. Diferentemente do suíno, alguns seres humanos descartam seus resquícios de modo nada sociável e nas mais variadas situações e ambientes em que vivem, servindo a estes então a colocação dispensada até então aos “porcos”.

   E em nossa Cidade não precisamos ir muito longe para ver situações que nos remetem ao dito popular, atribuindo este comportamento principalmente aos nossos jovens que fumam, comem e bebem em vias públicas e mesmo estando diante de lixeiras, preferem colocar seus detritos nas calçadas e nas vias públicas. Por vezes, até mesmo ali fazem suas necessidades fisiológicas deixando os locais piores do que muitos chiqueiros.

    Observem que está se tornando cada dia mais perigoso e nojento de se andar por calçadas, ruas e avenidas utilizadas por estes juvenis, principalmente nos finais de semanas e feriados.    Não sei se por puro prazer, raiva ou até mesmo certeza da impunidade, que eles adotaram o costume de abandonar ali todos os tipos de resíduos e o que é pior, garrafas de todas as espécies de bebidas alcoólicas consumidas por eles, simplesmente quebradas e espalhadas nestes locais, potencializando danos a pessoas e animais que se sujeitam a passar por ali. Olha que Santa Cruz do Sul, já foi considerada uma das cidades mais limpas... Que saudades!

   E tudo isso se repete a cada semana sem que providências concretas aconteçam por parte dos responsáveis, no intuito de resolver o problema que cresce a passos largos. Não menos grave do que isso são as algazarras e sons altos proporcionados por eles que tanto apoquentam aos moradores madrugada a fora, não os deixando dormir ou descansar. Como agravante da situação, ao irem embora lá pelas altas horas, o fazem normalmente alcoolizados ou drogados e na direção de suas máquinas velozes e não menos barulhentas, incomodando a todos e pondo em risco as suas e as vidas de pessoas inocentes, porém na maioria das vezes, isto tudo acontece sem serem incomodados por quem quer que seja.

   Leis existem muitas, mas fazê-las cumprir é que está se tornando cada vez mais difícil de conseguir por aqui. Talvez por influência até mesmo dos maus exemplos lá de cima, que estejam transformando a Cidade e nosso querido Brasil, em terras sem donos, em terras sem leis. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uber, táxi e a legislação de trânsito...

Tenho acompanhado diversas discussões a respeito da legalização ou não do serviço de transporte individual de pessoas em automóveis licenciados como particulares e disponibilizados aos utentes através do aplicativo UBER.    Em alguns municípios este serviço até mesmo já “foi aprovado” por seus vereadores, porém estes membros representativos municipais não atentaram para o que diz a legislação de trânsito brasileira a respeito das concessões dos serviços destes transportes remunerados, portanto o serviço continua sendo prestado na clandestinidade e permanecerá assim, até que se amolde de fato ao que prevê o Código de Trânsito ou este se adapte a nova modalidade.
   A lei 9.503, que instituiu o Código de Trânsito Brasileiro augura claramente em seu artigo 135, que sejam os veículos devidamente licenciados e registrados com placas comerciais na cor vermelha, sempre que autorizados pelo poder público concedente, para que possam assim, dentro da lei, prestar os serviços de transportes r…

O antídoto para a violência

Recentemente noticiaram na mídia nacional uma considerável redução nas renovações de Carteiras Nacionais de Habilitações nas categorias “C,D e E” e nas procuras por novas habilitações nestas categorias profissionais. Anunciou-se em contrapartida, um copioso acréscimo de trocas destas categorias, para a categoria “B”. Tudo isso, segundo as reportagens, se deve a mais nova exigência do CONTRAN, ou seja, as realizações de exames toxicológicos (RIAH) por parte dos candidatos a motoristas profissionais.    Confesso que num primeiro momento me veio à preocupação com os inúmeros desempregos que isto acarretaria e as decorrências desta nova cobrança, como a redução de veículos de cargas transportando mercadorias e de veículos coletivos transportando passageiros por todo o País. Mas em seguida compreendi que esta mesma medida, aparentemente exorbitante, estaria trazendo por outro lado muito mais segurança para o trânsito, uma vez que nos livraria significativamente dos maus profissionais, ju…